Logo Agile SchoolLogo Agile School
Logo Agile SchoolLogo Agile School
0
R$0.00 0 item

Nenhum produto no carrinho.

A Sprint Retrospective (ou apenas Retrospectiva) é um evento promovido pelo Agilista que irá concluir o ciclo de um projeto no Scrum. Sobretudo, esse é o momento em que o time irá rever suas ações, avaliando a última Sprint e se preparar para a próxima.

É importante seguir algumas regras para fazê-las corretamente, como alinhar o tempo que durou a Sprint com a timebox disponível para a retrospectiva, e além disso, faz-se necessário a presença de todos que compõem o Time Scrum.

Nela também são abordados a relação entre três importantes itens de uma equipe ágil: A princípio, são as pessoas, processos e ferramentas (que fazem parte dos 4 P's da agilidade) e para isso, esse evento é dividido em fases.

Porém, muitos agilistas ainda encontram dificuldades em tornar sua retrospectiva um evento agradável e útil para todos, por isso, separamos aqui uma série de materiais (como livros, sites, dinâmicas e ferramentas) que irão melhorar 100% o aproveitamento do seu evento.

Livros sobre retrospectiva da sprint

Agile Retrospective: Making Good Teams Great, Esther Derby e Diana Larsen

Nesse livro, as autoras Derby e Larsen irão revisitar a importância de uma boa retrospectiva para que o time ágil possa estar sempre apontando os pontos de melhoria das sprints, buscando cada vez mais eficiência e resultados positivos.

Através de ferramentas e dicas, o livro ensina como realizar o evento de forma interativa e projetá-las especificamente para o perfil da sua equipe, dessa forma, podendo lidar melhor com problemas e desenvolvendo soluções ágeis.

Improving Agile Retrospectives: Helping Teams Become More Efficient, Marc Loeffler

Em “Improving Agile Retrospectives”,  o agile coach Marc Loeffler irá combinar orientação prática e comprovada assim como abordagens inovadoras para maximizar o valor das retrospectivas para o seu time e toda a organização. 

Seus exemplos extremamente detalhados irão ajudar a notar armadilhas comuns das práticas de retrospectiva e adaptar este evento às suas necessidades, de forma a alcançar bons resultados. Além disso, ele mostra como aprender com os fracassos e sucessos, e integra conceitos inovadores nessa prática ágil (como pensamento sistêmico e experimentação).

Fun Retrospectives: Atividades e ideias para tornar suas retrospectivas ágeis mais envolventes, Paulo Caroli e Tainã Caetano Coimbra

Este é um livro nacional, e que possui ótimas avaliações dos agilistas que o utilizaram! Seu objetivo é trazer dinâmicas e atividades que irão unir ainda mais o time, deixando-os à vontade durante a realização da retrospectiva.

Project Retrospectives: A Handbook for Team Reviews, Norman L. Kerth

Norman L. Kerth, consultor de agilidade, apresenta em seu livro como tornar a sua retrospectiva bem sucedida e segura, e para isso, mostra maneiras de facilitar o evento através da confiança entre os membros da equipe.

Sua principal ferramenta é a “Kerth's Prime Directive”, que indica a compreensão e aceitação de que o trabalho foi realizado da melhor maneira possível, independentemente das descobertas e dificuldades. Ademais, o autor oferece dicas para lidar com as questões emocionais e sensíveis que podem ocorrer dentro das retrospectivas.

Getting Value out of Agile Retrospectives: A Toolbox of Retrospective Exercises, Luis Gonçalves e Ben Linders

Dos livros indicados, esse é o mais curto, o que torna sua leitura rápida, mas contém valiosas informações e exercícios que podem ser utilizados para agilizar sua retrospectiva e os benefícios e razões de cada uma dessas dicas.

The Retrospective Handbook: A guide for agile teams, Mr Patrick Kua

Este material é essencial para quem realiza as retrospectivas regularmente. O autor, Mr Patrick Kua, reúne 8 anos de experiência profissional em agilidade para transmitir conselhos práticos sobre como tornar suas retrospectivas eficazes e que resultem em mudanças positivas.

Dinâmicas que irão melhorar sua retrospectiva

As dinâmicas são maneiras de facilitar a retrospectiva e unir o time de forma eficaz. Elas são divididas em três categorias, que são: Team Building, focada em trazer uma reflexão acerca da importância do trabalho em conjunto; Retrospective, que foca na reflexão sobre ações passadas e por fim, a Futurespective, que traz alinhamento sobre atividades que serão realizadas futuramente.

Existem diversas formas de realizar esse evento sem torná-lo maçante, como através de jogos, cafés da manhã, círculo de apresentação e entre outros. Tudo isso é focado em trazer mais união ao time e melhorar os resultados e entrega de valor.

Por isso, separamos alguns conteúdos úteis com atividades para as dinâmicas (algumas, até retiradas do “Fun Retrospectives”, que já citamos nesse texto). Confira a seguir:

Ferramentas e sites que irão te ajudar na Retrospectiva

E aí, curtiu as dicas?

Se você ainda quer evoluir sua atuação como Scrum Master, melhorar a retrospectiva e auxiliar seu time de forma ágil, não esqueça de conferir nossas datas para o treinamento de PSM II e garantir sua participação neste curso com certificação internacional!

Entenda melhor um dos três artefatos do Scrum e como ele deve estar estruturado

O Backlog do Produto é um dos 3 artefatos do Scrum (os outros são o Sprint Backlog e o Incremento) e consiste numa lista ordenada de tudo o que é necessário para maximizar o valor do produto. Tal lista é composta por Itens do Backlog que geralmente representam melhorias, correções e débitos técnicos.

Product free icon

É importante que o Backlog do Produto esteja visível para o Time Scrum (Time) e Stakeholders a fim de promover transparência sobre o que será construído e em qual ordem será construído.

O Backlog do Produto é a única fonte de requisitos do Produto. Ou seja, tudo o que for relativo ao Produto deve estar contido apenas nele.

O único responsável pelo Backlog do Produto é o Product Owner (PO) e, embora ele possa delegar a ordenação do Backlog para alguém do Time de Desenvolvimento, ele continua sendo o responsável por ele. Portanto, a fim de evitar conflitos de interesses, todo Backlog deve mantido por apenas um Product Owner.

Como o Backlog do Produto está estruturado?

Os primeiros Itens do Backlog são aqueles que são mais importantes para o produto em dado momento. Eles devem estar mais detalhados e serem mais bem compreendidos por todos do Time. Dessa forma, são os Itens mais elegíveis a serem desenvolvidos nas próximas Sprints.

Por sua vez, os Itens mais ao fundo são aqueles que ainda não estão bem compreendidos, precisam ser refinados para melhor detalhamento e serão desenvolvidos mais tardiamente, sem previsão esperada para as próximas Sprints. Imagina-se que com mais detalhes, a estimativa seja mais assertiva e seja mais fácil atingir o Objetivo da Sprint dentro do Timebox.

O critério utilizado para ordenação do Backlog é definido pelo PO, que pode utilizar diversas técnicas conforme a necessidade, como por valor, por prazo (caso seja uma ação de marketing ou determinação legal), por risco, por dependência técnica ou de negócio...

Os critérios são muitos e cabe ao Product Owner decidir qual o melhor critério para o momento vivido pelo Produto. Já a estimativa é de responsabilidade do Time de Desenvolvimento que são os executores. Contudo, o PO ajuda na determinação e entendimento do escopo.

Uma imagem contendo uma explicação sobre o Backlog do Produto

Por seu dinamismo, o Backlog do Produto é considerado um artefato vivo uma vez que está em constante mudança a fim de garantir a adequação e maximização do valor do Produto.

Os Itens de Backlog geralmente são escritos como Histórias de Usuários, embora o Scrum não especifique um formato padrão. Qualquer que seja a forma escolhida é uma boa prática conter uma descrição, qual a estimativa de esforço, qual o valor pretende gerar ao negócio, quais são os critérios de aceite e quais testes devem ser realizados. Esses atributos contribuem para comprovar a completude do PBI quando “Pronto”.

Características de um bom Backlog do Produto

Um bom Backlog do Produto deve ser DEEP e o PO deve ser um bom FDP. Calma, não é isso que você está pensando! Te explico abaixo cada conceito.

DEEP é o acrônimo que significa que o backlog deve ser: Detalhado apropriadamente, Estimado, Emergente e Priorizado.

Quando dizemos que o PO deve ser um bom FDP estamos nos referindo a ação do PO: Fatiar, Descartar e Priorizar.

Conclusão

O Backlog do Produto é um artefato vivo e a entrada para todo o fluxo de Eventos do Scrum. Enquanto existir Produto, existirá Backlog para ele. A priorização de melhorias, correções, débitos técnicos e refinamento é de responsabilidade do PO, que deve ser uma única pessoa para evitar conflito de interesses e dificuldade na tomada de decisão quanto ao escopo do Produto e a prioridade na sua execução.

Eleve o nível de seus conhecimentos com treinamentos oficiais da Scrum.org. Clique aqui e confira a agenda completa!

É Product Owner ou pretende atuar neste papel? Baixe agora nosso e-book gratuito "8 instâncias do Product Owner" e aprenda as diferentes formas de atuaçãono trabalho de criação de produtos/serviços e na geração de valor ao cliente.

Leia também:

Saiba como implementar o Scrum e outros métodos ágeis para agregar mais valor ao seu trabalho atual ou iniciar em uma das carreiras que mais crescem no Brasil

Você já deve ter ouvido muito falar sobre os tais métodos ágeis, como o Scrum, Kanban, entre outros, ficou pesquisando sobre eles, mas não descobriu como aprender de verdade? Está tentando implementá-los na prática e não está vendo o real valor que eles proporcionam? Ou quer mudar de carreira e sabe que isso vai te ajudar? 

Se sua reposta foi sim, mas não sabe nem como começar, separamos algumas conselhos indispensáveis para você usar a Agilidade para alavancar ou mudar de carreira. Seja para mudar de profissão ou para gerar mais resultados ao seu atual trabalho, confira essas quatro dicas:

Conheça primeiro a mecânica do framework. 

Se você acha que está ficando para trás no mercado de trabalho ou se sua empresa está implementando a Agilidade e você já sabe que é algo que precisa aprender, comece pelo começo, literalmente. Não faça treinamentos mais avançados, neste momento!

Muitos pensam que é melhor investir em saber mais sobre o papel de Scrum Master ou de Product Owner, entretanto, o ideal é começar mesmo pelos fundamentos do Scrum (aqui na Agile School temos o treinamento Applying Professional Scrum, certificado pela Scrum.org). São esses treinamentos mais focados na mecânica e nos fundamentos que te darão embasamento para iniciar no mundo da Agilidade. 

Clique aqui e assista agora nosso minicurso 100% GRATUITO de introdução ao Scrum!

Se aprofunde e incorpore o mindset ágil! 

Isso mesmo, depois de conhecer a mecânica do Scrum, quais são seus elementos e como ele funciona, se aprofunde e integre realmente a Agilidade em seu dia a dia. Por exemplo, você sabe porque a Sprint Planning tem no máximo 8 horas? A Agilidade pode ser usada em qualquer ambiente? Por que existe o Manifesto Ágil? 

Ou seja, busque solucionar esses questionamentos mais avançados. Não basta saber todo o framework apenas na teoria e não saber o seu valor na prática. Por isso, é essencial mudar o mindset para poder aproveitar todos os potenciais dessas novas ferramentas de trabalho.

Entre numa dinâmica de prática desse novo aprendizado. 

Quando se quer mudar de carreira, é muito relevante colocar em prática todo esse novo conhecimento que vem sendo adquirido… E na Agilidade não é diferente! Se você não praticar os elementos do Scrum no dia a dia, você terá dificuldade em assimilar e realmente incorporar essa novidade.

Por isso, tente colocar o Scrum em prática no trabalho que você está hoje, seja esse agente de inovação. Ou até comece a implementar de forma voluntária em algum projeto ou ONG, por exemplo. Isso é fundamental para te dar um pouco de experiência prática, principalmente se seu objetivo é mudar de emprego. 

Geralmente, as pessoas que estão querendo mudar de carreira já possuem um pouco mais de bagagem e, para começar em uma área nova, é comum dar um passo para trás, aceitando ofertas de emprego com remunerações menores e posições mais iniciantes. Tal como um gerente de projetos pleno/sênior, que está começando no universo de Agilidade, ele não se tornará um Scrum Master nesse mesmo nível logo no ínicio.

Mas não se preocupe pois a escalada é rápida, já que o mercado está aquecido! Vale lembrar que o Especialista em Agilidade é um dos trabalhos que mais crescem nos últimos tempos, segundo um estudo publicado pelo LinkedIn, sendo considerada uma das 15 profissões emergentes de 2020 no Brasil.

Se envolva em uma comunidade. 

Participe de meetups, webinars, eventos e comunidades do universo de Agilidade. Não apenas para trocar informações, tirar dúvidas e ter mais aprendizados com profissionais de diversos níveis e áreas, mas para aumentar seu networking também. Essa conexão com comunidades é super enriquecedora e ainda pode te render uma nova oportunidade de trabalho!

E para saber mais sobre os nossos treinamentos, acesse nossa AGENDA clicando aqui!

Assista também:

Dicas para começar a usar o Scrum do zero
menu