Logo Agile SchoolLogo Agile School
Logo Agile SchoolLogo Agile School
0
R$0.00 0 item

Nenhum produto no carrinho.

Os estágios de Tuckman no desenvolvimento de equipes

Os estágios de Tuckman no desenvolvimento de equipes

Quantas vezes você já trocou de empresa, de departamento ou projeto? Tem gente nova em sua equipe? Como você lida com a situação de mudança? E aquele sentimento de pisar em cascas de ovos que temos quando começamos uma nova equipe? Você está envolvido com a causa? Existe o laço de confiança?

Bruce Wayne Tuckman (não, ele não é o Batman!), realizou pesquisas sobre a teoria da dinâmica em pequenos grupos de pessoas. Em 1965, (sim, eu escrevi mil novecentos e sessenta e cinco) publicou uma de suas teorias chamadas “estágios de Tuckman no desenvolvimento de grupo”, formada pelas fases Forming, Storming, Norming, Performing e Adjourning.

Segundo Tuckman, as equipes passam por essas etapas para que possam trabalhar bem juntas. Os estágios não são estritamente lineares, algumas equipes simplesmente ignoram um estágio e outras oscilam entre essas etapas.

Vamos lá, o que seria cada uma dessas etapas?

1. Forming

Esse é o primeiro estágio a qual a equipe se reúne. Todo mundo está em seu melhor comportamento e principalmente focado em si mesmo, tentando descobrir o objetivo da equipe, papel e responsabilidade. Para contextualizar, sabe aquela foto de bom moço no primeiro almoço na casa dos pais da namorada? O que falar e o que não falar? Postura e comportamento? Esse é o momento em que todos ainda estão observando e se conhecendo.

2. Storming

Estilos de trabalho e confronto de personalidades podem predominar nesta fase e somente 50% das equipes entram nesta etapa, enquanto os outros vão direto para Norming. Neste ponto, os membros da equipe desenvolveram confiança inicial suficiente e agora estão confortáveis ​em expor seus pontos de vista sobre o que gosta ou não gosta sobre as opiniões de outros membros da equipe, porém não ao ponto de expressar a opinião livremente.

Storming não é necessariamente algo ruim, pois desacordos ou conflitos dentro da equipe podem tornar as pessoas mais fortes, mais versáteis e capazes de trabalhar de forma mais eficaz como uma equipe.

Nesta fase é muito importante a cautela para que mudanças de pessoas ou metas não sejam realizadas, pois podem impactar negativamente na consolidação da equipe.

3. Norming

Os membros da equipe resolvem suas diferenças e crescem para respeitar e apreciar uns aos outros aprendendo a tolerar certos caprichos. Este é o momento em que você e os membros de sua equipe se adaptaram um ao outro e você é mais tolerante com suas diferenças ou aprendeu a gerenciá-las melhor.

Podem pedir ajuda, dar feedback construtivo e juntos compartilham um objetivo comum e assumem a responsabilidade. Neste momento, a equipe começa a oferecer mais a favor do objetivo proposto.

4. Performing

A equipe está executando as atividades em sua plenitude e é incrivelmente produtiva. É como se os planetas estivessem se alinhado e grandes coisas acontecem. Finalmente!

As equipes que são bem sucedidas em alcançar esta fase podem funcionar como uma unidade, pois podem encontrar maneiras de fazer o trabalho de forma suave e eficaz, sem conflitos inadequados ou a necessidade de supervisão externa.

A cautela nesta fase é para a estagnação (não é um estágio oficial de Tuckman), mas uma equipe pode atingir este estágio quando permanecem juntos por muito tempo, bem como podem reverter para estágios anteriores em determinadas circunstâncias. Por exemplo, uma mudança de pessoa pode fazer com que a equipe retorne a outro estágio enquanto as novas pessoas desafiam as normas e dinâmicas existentes da equipe.

5. Adjouring

Aqui os sentimentos de realização e perda se cruzam. Os membros da equipe fizeram as entregas e sabem que estão seguindo caminhos separados, pois o projeto está quase concluído ou a organização está mudando. Para evitar qualquer sofrimento, é muito importante um plano de continuidade em outra equipe ou produto para que seja possível gerenciar e controlar as expectativas das pessoas.

Em linhas gerais

Agora que sabemos o que é cada fase, segue abaixo um resumo para que possamos identificar as principais questões em torno da Teoria de Tuckman:

CONCLUSÃO

Por que eu devo saber sobre os estágios Tuckman na formação de equipes?

Porque lidamos com pessoas para desenvolver produtos ou prestar serviços. Parece óbvio, mas as pessoas não são objetos e precisamos identificar lacunas e oportunidades de melhoria em torno de todo o ambiente continuamente. Além disto, saber o momento em que cada pessoa se encontra durante a formação de equipe é muito importante para chegarmos a coesão e, consequentemente, alta performance.

Para muitas organizações, uma prática comum é que as pessoas sejam gerenciadas como máquinas. Comando e controle predominando minuciosamente em sua essência. Neste estilo de gestão, chefes assumem que melhoramentos do todo requer monitorar, reparar e trocar as partes, quando na verdade deveriam trabalhar como líderes servidores para manter as pessoas ativas, criativas, motivadas e engajadas.

Segundo o comandante Amaro Rolim (Setembro,1942 – Julho 2001), pessoas são as matérias primas mais valiosas e importantes numa empresa, portanto temos que lapidá-las e saber identificar cada fase para atuarmos rapidamente, seja com treinamento ou através do exemplo.

Ficou interessado em ler a teoria do Tuckman na íntegra?

É fácil, basta acessar o site da Associação Americana de Psicologia e comprar através do link psycnet.apa.org/journals/bul/63/6/384

Gostou? Não esqueça de curtir e compartilhar 😉

Até a próxima!

menu